Sérgio Cabral, a atriz Beatriz Segall no papel de Odete Roitman; abaixo manchete do UOL
Sérgio Cabral, a atriz Beatriz Segall no papel de Odete Roitman; abaixo manchete do UOL
Nem mesmo oito meses atrás das grades fizeram Cabral ser mais humilde. Pode estar abatido e deprimido, perdendo peso, mas mantém a mesma essência arrogante e se considerando melhor que os outros. Na cadeia compra todo o tipo de privilégios, como tem mostrado a imprensa. Dentro do presídio vip de Benfica, Cabral tem um companheiro de cela, um ex-PM condenado por tráfico, que trabalha para ele como segurança particular e mordomo. O colega de cela nem poderia estar nesse presídio porque não tem curso superior, mas o ex-governador faz o que quer, manda na direção do presídio. Obviamente com a anuência de muita gente, a começar pelo secretário de Administração Penitenciária, coronel Erir Ribeiro, que foi comandante-geral da PM na gestão de Cabral. E debocha do juiz Marcelo Bretas com respostas como: "Que maluquice é essa?", referindo-se às propinas, ou como essa resposta de que não matou Odete Roitman, querendo dizer que é vítima de perseguição, que nunca recebeu propina de ninguém.

Comentários

16/07/2017

01:05

Vantoir - RJ

Diego e Arão estão dando cara que começaram prejudicar o time do Flamengo

16/07/2017

01:30

Josias de Souza Mattos - Queimados

Eu conheço essa peça, é, da pior qualidade que se possa pensar, se é que isso é qualidade. É um sínico , ordinário, bandido, me falta adjetivo, para qualificar esse ordinário., levou o nosso Estado no maior estado de miséria, muitas vidas foram levadas pela ausência de médicos nos hospitais, falta de remédio, faltas de cirurgia. muitas vidas foram dizimada nas ruas por falta de segurança. Esse ordinário, se não pagar aqui na terra, na justiça dos homens, será cobrado na justiça divina. Gostaria muito que essa a mensagem chegasse até ele.

16/07/2017

04:10

Paulo Cesar - Rio de Janeiro

Pra mim, ele é o xerife da cadeia, enquanto tiver muito dinheiro comprará todos ao seu redor. Nós sabemos que assim que funciona neste Brasil, que tem poder social ou econômico terá sempre privilégios, infelizmente é assim há muitos anos atrás e continuará assim, doa a quem doer é o sistema.