Reproduções do Globo e de O Dia
Reproduções do Globo e de O Dia

Muitas pessoas nas redes sociais estranham o fato de que eu e Rosinha trabalhamos, quando isso é uma coisa perfeitamente normal numa sociedade civilizada. O fato de outros políticos terem enriquecido na vida pública e depois que saem dos cargos nunca mais trabalharem para sustentar sua família e suas despesas pessoais não pode ser generalizado.

Quando voltei a ocupar o microfone da Rádio Tupi há alguns meses também surgiram comentários tentando relacionar o fato a algum interesse político, esquecendo que sou radialista há 40 anos, tenho minha carteira de trabalho assinada há mais de 30 anos, e nunca deixei de exercer a minha profissão. Se outros políticos enriqueceram e não precisam trabalhar é problema deles. Eu e Rosinha vivemos do nosso trabalho, não entramos na política para enriquecer, e mantenho o desafio que sempre fiz aos meus adversários, sem resposta de qualquer um deles, de mostrar qualquer indício de enriquecimento ilícito meu ou dela.

Teve até quem criticasse dizendo que era uma vergonha. Pois eu tenho muito orgulho da minha mulher e admiro sua aptidão para as artes e sua disposição para o trabalho. Quem deveria sentir vergonha são mulheres como Adriana Ancelmo (mulher de Sérgio Cabral) e Cláudia Cruz (mulher de Eduardo Cunha), que levavam uma vida de dondocas às custas do dinheiro roubado do povo pelos seus maridos. No caso de Adriana Ancelmo pior ainda, afinal ela participou da roubalheira. Isso sim é motivo de vergonha.

Aliás, vejam abaixo como ficou o quarto do nosso neto, o Vicente, filho da Clarissa e do Marcos, e alguns exemplos do trabalho de Rosinha. Aliás, ela manda avisar que está aceitando encomendas. Quem se interessar pode manter contato pelos comentários do blog.