Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

Não existe marqueteiro que consiga mudar a imagem do PMDB. Mas algumas lideranças do partido acreditam que vão conseguir passar a perna nos eleitores mudando o nome da sigla para MDB (Movimento Democrático Brasileiro), como era nos tempos da ditadura quando o partido estava à frente da luta democrática. Em setembro o PMDB se reúne em convenção para decidir se troca o nome. Alegam os peemedebistas que a volta do nome MDB remete a Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Teotônio Vilela e outros nomes que encabeçaram a luta pela democracia.

Convenhamos que o PMDB de Michel Temer, Eduardo Cunha, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Renan Calheiros, Romero Jucá, só para citar alguns nomes nacionais, ou de Sérgio Cabral, Pezão, Jorge Picciani, Eduardo Paes, no nível estadual pode mudar o nome para o que quiser que jamais será associado aos fundadores do partido.

Mas não é só o PMDB que acha que a mudança de nome pode engabelar o eleitorado. O PTN virou Podemos; o PEN deve mudar para Patiotas; o DEM pode virar Mude; o PP cogita se chamar Progressistas; e até o PT já andou debatendo a ideia, mas não foi adiante; e podem apostar que outros partidos seguirão o mesmo caminho.