Reprodução do Brasil 247
Reprodução do Brasil 247

O governo não corta gastos como deveria, abriu mão de bilhões em perdões de dívidas para abafar os inquéritos contra Michel Temer, só faltava agora querer criar um novo imposto para financiar a segurança pública. A resposta do presidente da Câmara, Rodrigo Maia está corretíssima, ainda que a gente saiba que é uma reação ao fato de ter sido passado para trás por Temer no episódio da intervenção na segurança do Rio de Janeiro. A reação pode vir do fígado, mas mesmo por via transversa é o que recomenda a razão. E sem o apoio de Maia, o Palácio do Planalto guardou o projeto do novo imposto na gaveta, nem ousou lançá-lo ao vento para sentir a reação da base aliada.