Visitantes online: 468
logo topo

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

23/07/2018

23:35

Bem que o Garotinho avisou...

Em 2014 participei de um debate promovido pela VEJA. Assistam o vídeo com bastante atenção. TUDO que eu avisei sobre o governo do PMDB aconteceu. Tem muita gente por aí dizendo: "BEM QUE O GAROTINHO AVISOU...".

23/07/2018

09:18

Ministro de Temer quer SUS pago e tribunal acima do Supremo

Em carta dirigida a parlamentares do MDB, o ministro da Secretaria de Governo Carlos Marun propôs que o MDB e o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (pré-candidato à Presidência), defendam uma forma de “leniência” ao caixa dois praticado em eleições passadas e a cobrança por serviços públicos de saúde.

O articulador político do governo de Michel Temer também sugere a fixação de mandatos para ministros do Supremo Tribunal Federal e a criação de uma nova corte, acima do STF.

“Vamos desburocratizar as eleições, mas punir realmente o uso de dinheiro ilegal nos pleitos. Podemos propor uma forma de leniência para o caixa dois já praticado e o criminalizarmos para o futuro”, escreveu o ministro, que é citado na Operação Registro Espúrio, suspeito de interferir em registro de sindicatos no Ministério do Trabalho.

22/07/2018

15:03

A FARRA E A CORRUPÇÃO DA GANGUE DOS GUARDANAPOS

Tive uma mini-série censurada no FACEBOOK sob a alegação de campanha eleitoral apenas porque, numas fotos, aparecia EDUARDO PAES sentado na mesma mesa do Rei Artur e outros integrantes da farra dos guardanapos.

Todo mundo sabe que tanto as fotos como os vídeos daquela farra em Paris e na sequência em Mônaco foram divulgados para o Brasil por mim.

Agora vejo que preparam o lançamento de um livro com o mesmo nome da mini-série e as fotos cujos originais foram obtivos por mim.

Nada contra, apenas não entendo como uma reportagem jornalística pode ser censurada sob pretexto de campanha eleitoral antecipada se os fatos narrados são todos reais e os personagens também.

Não conheço o conteúdo do livro mas espero que mostre também o lado mais perverso da farra dos guardanapos: A CORRUPÇÃO QUE ENGOLIU O DINHEIRO PÚBLICO E COLOCOU O ESTADO NUMA CRISE SEM PRECEDENTES.

Leia abaixo artigo do colunista Ascânio Seleme, publicado hoje no Globo:

"A farra dos guardanapos vista por dentro

Bastidores da noite em que a ruína de Sérgio Cabral começou são contados em livro
Livro revela bastidores da farra dos guardanapos. Estão enganados os que acham que já viram tudo no ataque praticado pelo ex-governador Sérgio Cabral e sua turma aos cofres públicos e às boas práticas políticas e comportamentais. Vem aí um livro que conta com uma riqueza impressionante de detalhes o primeiro e decisivo capítulo da destruição de Cabral, a festa parisiense conhecida como a farra dos guardanapos. Todos os bastidores da esbórnia de Cabral, seus secretários, amigos empresários e suas mulheres estão ali relatados.

Há inúmeras passagens exóticas que nunca foram contadas. O livro escrito pelo jornalista Sílvio Barsetti passa por tudo, conta desde o volume etílico consumido na bagunça até uma cena de ciúmes de Adriana Ancelmo, mulher de Cabral, que quase estraga a festa. O autor entrevistou dezenas dos convidados para reproduzir o capítulo mais constrangedor da trajetória do governador que agora cumpre mais de cem anos de cadeia por desvios financeiros e éticos durante seu mandato.

Patrocinada pela Peugeot, a festa ocorreu no Hotel La Paiva, um palácio destinado a recepções de luxo na Avenida ChampsÉlysées e que pertencera à marquesa Theresa Lachmann, uma conhecida cortesã parisiense do século 19. O banquete foi servido por maîtres e 25 garçons, um para cada cinco convidados. Ao final, 300 garrafas da champagne Dom Pérignon e do vinho português Barca Velha teriam sido consumidas. Além de uísques e cognacs.

Cabral e Adriana chegaram a Paris dois dias antes e se hospedaram no Hotel Le Bristol. O luxo do hotel impressionou os pais de Cabral, também presentes. Sérgio Cabral pai disse à mulher Magaly: “Essa realidade não nos pertence. Daqui a pouco vão pegar a gente no colo”. Não tinha visto nada ainda. Luxo mesmo ele conheceria na noite da festa. Mas, além do luxo, os modos da turma é que deixariam estarrecidos até mesmos os serviçais do Palácio.

Além dos guardanapos nas cabeças de um quinteto para lá de embriagado, houve momentos de descontração de tal ordem que um dos convidados passou parte da festa com dois copos nas mãos, um de vinho e outro de champagne. Em outro, dois deles subiram em uma mesa para dançar. Foram convidados a descer por um maître. Ao ver a cena, o patrocinador Thierry Peugeot disse que a cortesã dona da casa “marquesa Lachmann estaria radiante aqui”.

A cena de ciúmes se deu quando uma sensual cantora francesa contratada para animar os convivas se insinuou a Sérgio Cabral. Adriana afastou a moça dizendo com fúria e em bom e sólido português: “Aqui não, pode sair de perto”.

Outro barraco foi de Cabral, que brigou com sua assessoria que pediu para uma convidada parar de fotografar a festa. Ela se queixou, e o governador deu uma bronca num assessor. “Que merda é essa? Você está maluco? Ela é minha convidada e pode fotografar, sim”. Cabral descobriu mais tarde que foi esta mulher, cujo nome o livro não revela, quem passou para Anthony Garotinho as fotos da noitada.

O livro “A farra dos guardanapos — O último baile da Era Cabral — A história que nunca foi contada” é o primeiro fruto da parceria dos jornalistas Bruno Thys e Luiz André Alzer, idealizadores e fundadores da editora Máquina de Livros. A editora já tem outros três projetos em andamento. Todas as suas obras serão de não ficção. “A farra dos guardanapos” tem 176 páginas, vai custar R$ 39,90 e estará disponível nas livrarias a partir de agosto."

21/07/2018

18:10

Patriotas oficializa apoio a Garotinho

O Patriotas oficializou hoje apoio à candidatura de Garotinho (PRP) ao governo do Estado do Rio. A convenção ocorreu no salão de festas do Mesquita Futebol Clube, em Mesquita, na Baixada Fluminense. O partido conta com cerca de quatro mil filiados no estado.

“Meu agradecimento ao deputado federal Walney Rocha, aos candidatos (do Patriotas) e à militância do partido, que vai às ruas para lutar para reconstruir nosso estado, destruído por Cabral, Pezão, Picciani e Eduardo Paes”, disse Garotinho, que disputará em breve a vaga de candidato a governador na convenção do PRP.

No Estado do Rio, o Patriotas conta com dois deputados federais (Walney Rocha e Cabo Daciolo), 18 vereadores (sendo um da capital), um vice-prefeito e um prefeito, Severiano Nenem (Natividade).

“Fui deputado estadual quando ele foi governador (1999-2002). Ele atendeu muito bem a Baixada Fluminense. E a gente precisa dos programas sociais que ele implantou”, diz o presidente regional do Patriotas, deputado Walney Rocha.

O evento contou com cerca de 1.500 pessoas. O PRP fará ainda alianças com o Pros e o PPL.




21/07/2018

13:39

Empreiteira acusa líder do PR de receber 4 milhões em propina

A Polícia Federal avançou nas investigações contra o ex-deputado Valdemar Costa Neto, o manda-chuva do PR. Condenado no escândalo do mensalão e cortejado nas últimas semanas pelos principais presidenciáveis, Costa Neto é suspeito de receber 4,3 milhões em propina da Odebrecht, dinheiro desviado de contrato da empreiteira com a Valec, estatal vinculada ao Ministério dos Transportes. A pasta é cota do partido de Costa Neto no governo federal. Um dos delatores ligados à construtora esteve na PF e forneceu aos investigadores detalhes das negociações mantidas com Costa Neto, incluindo as ameaças de retaliação caso o repasse do valor combinado não fosse concretizado. As declarações do colaborador foram confrontadas com planilhas apreendidas nos computadores da empresa. Nelas, os pagamentos ao chefão do PR aparecem identificados pelo codinome “Polonês”.

21/07/2018

09:59

Ex-senador é suspeito de doar imóvel a agente da Papuda em troca de regalias

Luiz Estevão é suspeito de ter doado um imóvel para um dos agentes da Penitenciária da Papuda em troca de privilégios. Foi o que afirmou a juíza Leila Cury na decisão desta quinta-feira, que mandou o ex-senador para a ala de segurança máxima.

Segundo a juíza da Vara de Execuções Penais (VEP), o caso começou com denúncia anônima no fim de 2016 e terminou com o indiciamento de Estevão por corrupção passiva, passando pela queda da cúpula do Centro de Detenção Provisória da Papuda.

No começo de 2017, Leila determinou vistoria na cela do ex-senador, onde foram encontrados “diversos itens proibidos, tais como cafeteira, cápsulas de café, chocolate, massa importada, dentre outros”. A punição para Estevão, hoje presidente do PRTB no Distrito Federal, foi de dez dias de isolamento.

20/07/2018

07:08

Cabral viajava todo final de semana com helicóptero do governo do RJ

A Justiça do Rio ouviu nesta quinta-feira testemunhas no processo que acusa Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo de usar helicópteros públicos para fins particulares.

O primeiro a ser ouvido foi Fernando Cavendish, companheiro da farra dos guardanapos, que disse ter convivido com Cabral e Adriana desde 2003. O empreiteiro chegou a ter uma casa no mesmo condomínio de luxo do então governador.

Segundo Cavendish, Cabral ia para Mangaratiba todo final de semana, sempre utilizando helicópteros do governo, levando inclusive parentes.

Dono da construtora Delta, Fernando Cavendish foi preso em julho de 2016, na Operação Saqueador. Na Lava Jato, a Delta é acusada de abastecer com propina caixas de campanhas eleitorais de políticos.

O juiz Guilherme Schilling também ouviu testemunhas de acusação, inclusive pilotos que trabalham para o Estado do Rio. Eles confirmaram o uso de helicóptero do governo para as viagens para Mangaratiba. E confirmam inclusive que levaram equipes de babás sem a presença do ex-governador. Os pilotos também destacaram o custo das aeronaves, algo em torno de mil dólares por hora.

Segundo o Ministério Público, Cabral e Adriana Ancelmo usaram helicópteros do governo para fins pessoais em 2281 voos. O prejuízo para os cofres públicos fica em torno de R$ 20 milhões.

19/07/2018

11:53

Mulher de Eduardo Cunha é condenada pelo tribunal da Lava Jato

A jornalista Cláudia Cruz foi condenada a 2 anos e 6 meses de reclusão por manter depósitos não declarados no exterior. O início da pena deve ser cumprido em regime aberto.

A mulher de Eduardo Cunha foi condenada depois de julgamento de apelação pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em Porto Alegre. O Tribunal também suspendeu o confisco dos recursos da jornalista depositados na conta no exterior.

A decisão foi tomada na sessão da Corte nesta 4ª feira (18.jul.2018). A defesa da jornalista ainda pode recorrer. Cláudia não deverá ser presa. Na mesma decisão, o colegiado a absolveu da acusação de lavagem de dinheiro.

De acordo com as investigações da força-tarefa da Lava Jato, Cláudia Cruz foi favorecida de parte de propina de cerca de US$ 1,5 milhão recebida pelo marido. O dinheiro era mantido em contas na Suíça e teria origem em contrato da Petrobras para exploração de petróleo em Benin, na África.

19/07/2018

08:46

Câmara se nega a informar gastos com comitiva de Maia no exterior

Reprodução do blog PODER 360
Reprodução do blog PODER 360

.

18/07/2018

23:47

Papo Reto com Garotinho

18/07/2018

20:18

Presidente do STJ nega soltura de Eduardo Cunha

A presidente do Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz, negou um pedido de liberdade apresentado pela defesa de Eduardo Cunha.

A prisão de Cunha foi decretada no âmbito da Operação Sépsis, deflagrada pela Polícia Federal para apurar fraudes na Caixa Econômica Federal.

O ex-deputado e ex-presidente da Câmara está preso em Curitiba desde outubro de 2017. Segundo o STJ, a defesa alegou excesso de prazo nessa prisão, mas a presidente da corte concordou com os argumentos do juiz Vallisney Oliveira, que condenou Cunha.

De acordo com a sentença, a gravidade dos fatos narrados e o risco de reiteração delitiva, ou seja, de voltar a cometer crimes, justificam a manutenção da prisão preventiva.

18/07/2018

11:41

Justiça determina bloqueio de bens de Lúcio Funaro

A Justiça Federal de Barueri determinou o bloqueio de cerca de R$ 95 milhões do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador financeiro do MDB e um dos principais delatores da Lava Jato, e de mais 16 empresas e um executivo.O bloqueio partiu de pedido da Fazenda Nacional, da União.

Delator da Lava Jato preso em junho de 2016, Funaro cumpre prisão domiciliar em fazenda particular de Vargem Grande do Sul, no interior de São Paulo.

A decisão que determina o bloqueio dos bens vale para “ativos financeiros disponíveis em contas correntes, poupanças e outras aplicações financeiras”. O bloqueio se refere a dívida tributária da Guaranhus Empreendimentos Intermediações e Participações, empresa criada em nome de Funaro.

Segundo a decisão, investigação constatou que a “Guarunhus se tratava de empresa de fachada, servindo tão-somente à blindagem patrimonial de seu único controlador de fato, Lucio Bolonha Funaro".

18/07/2018

09:10

Delator cita repasse para empresa de filhos de ex-assessor de Temer

O operador financeiro Adir Assad afirmou em acordo de delação premiada ter repassado, entre 2010 e 2011, de R$ 1,2 milhão a R$ 1,4 milhão em espécie para a Yuny Incorporadora, empresa que tem como sócios Marcos e Marcelo Mariz de Oliveira Yunes, filhos do advogado José Yunes, amigo e ex-assessor do presidente Michel Temer.

Assad é apontado como o maior "noteiro" a atuar nos desvios apurados na Lava Jato e em pelo menos outras duas operações: a Monte Carlo e a Saqueador. Segundo o Ministério Público Federal, as empresas de fachada do operador firmavam contratos fictícios com grandes empresas. O valor dessas notas, descontado o porcentual cobrado por Assad, era transformado em dinheiro em espécie e devolvido à empresa ou a operadores de propina indicados por ela.

Assad foi condenado a 9 anos e 10 meses de prisão por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

José Yunes, por sua vez, deixou o governo Temer após ter sido citado na delação de Cláudio Mello, da Odebrecht. O executivo disse que parte dos R$ 10 milhões solicitados em reunião no Palácio do Jaburu, da qual o ministro Eliseu Padilha e Temer participaram, teria sido entregue no escritório de Yunes, na capital paulista. O advogado também é investigado no inquérito sobre o chamado Decreto dos Portos. A hipótese da Polícia Federal é de que ele seria um dos intermediários para recebimentos ilícitos de Temer.

17/07/2018

16:39

MPF procura nas Bahamas R$ 113 milhões atribuídos a Paulo Preto

Após descobrir que o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, movimentou R$ 113 milhões em contas bancárias na Suíça, o MPF de São Paulo aguarda informações das autoridades das Bahamas para saber se o dinheiro foi parar lá.

Os promotores pediram a cooperação internacional com o país da América Central no final de março.

A suspeita é que os valores sejam repasses ilegais feitos a Paulo Preto, apontado como operador do PSDB.

17/07/2018

14:41

PF investiga desvio de verbas em gestão de Aécio Neves

A Polícia Federal investiga denúncia de que duas empresas teriam sido usadas por Aécio Neves para desviar verbas para campanhas durante sua gestão no governo de Minas Gerais.

Segundo a acusação, os desvios teriam ocorrido durante a construção da Cidade Administrativa em Belo Horizonte, entre 2008 e 2010. A sede do governo foi orçada em R$ 900 milhões, mas o Tribunal de Contas do Estado afirmou que a obra passou de R$ 1,8 bilhão.

Em delação premiada, no fim de 2016, o ex-diretor superintendente da Odebrecht em Minas Gerais, Sérgio Neves, denunciou um esquema de desvio de dinheiro. Segundo o delator, o então presidente da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, Oswaldo Borges, determinou que 3% de um contrato com as empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e a OAS iriam para Aécio Neves para futuras campanhas políticas. O contrato era de R$ 360 milhões.

Além disso, afirmou que o tucano determinou que a construtora deveria contratar duas empresas locais: a Cowan e a Alicerce. O delator disse que elas foram subcontratadas, mas para não fazer nada.

17/07/2018

10:23

Leilão da Lava-Jato: imóvel de Dirceu é arrematado pela metade do preço

Um dos três imóveis leiloados de José Dirceu foi arrematado nesta segunda-feira, em leilão virtual.

O imóvel, uma casa de cerca de 200 metros quadrados, localizada na Saúde, zona sul de São Paulo, foi adquirida por um comprador de nome não revelado, identificado como “Jorge 1960” no site de leilões.
A casa, com área de 200 metros quadrados, foi arrematada por R$ 465,1 mil, pouco mais da metade do valor de avaliação (R$ 750 mil).

Os bens de Dirceu foram a leilão por determinação de Sergio Moro. O confisco dos imóveis faz parte da sanções impostas pelo magistrado no âmbito da Operação Lava-Jato.

No total, há cerca de R$ 11 milhões em imóveis de Dirceu à venda em leilões por determinação de Moro. O mais caro é o escritório da consultoria do ex-ministro, na Avenida República do Líbano, vizinha ao Parque do Ibirapuera, em São Paulo, que foi oferecido por R$ 6 milhões, mas que após várias tentativas de venda já caiu para R$ 3 milhões.

PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 PróximoÚltimo